Dúvidas Frequentes

Por serem frequentes e acometerem ampla parcela da população, desde crianças a idosos, as doenças ortopédicas geram muitas dúvidas.

A Orto Corpore criou este espaço para fornecer informação de qualidade aos seus pacientes e também à sociedade em geral.

A síndrome acomete com mais frequência as mulheres que atravessam o climatério e uma das hipóteses é por causa da queda na produção de estrógeno. Resulta da compressão do nervo mediano ao nível do punho. Os sintomas ocorrem à noite porque quando dormimos temos a tendência de dobramos o punho. Nesta posição a compressão fica mais intensa e a sensação de formigamento, um dos sintomas, aparece. O tratamento mais eficaz é o cirúrgico.

É verdade sim. O idoso é um paciente especial. Em alguns casos, as pessoas nesta faixa etária apresentam problemas de saúde paralelos, como o diabetes, a hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, renal e hepática. As artrites são frequentes causas de dores na mão dos idosos. Nas mulheres o acometimento mais comum é na articulação trapézio–metacarpo. Esta artrite provoca dores na base do polegar quando a paciente faz seus movimentos. A artrite também é comum nas articulações dos dedos, que acarretam rigidez e dor aos movimentos.

O ligamento cruzado anterior (LCA) é o principal estabilizador do deslocamento anterior da perna em relação à coxa. É a lesão ligamentar completa do joelho mais comum e acomete, principalmente, homens jovens, atletas e esportistas. A causa principal é o entorse do joelho durante a realização do esporte, seguida de dor e edema importante.O tratamento imediato é o repouso, uso de contensores do joelho, compressas com gelo e uso de antinflamatórios não esteroidais. Se a lesão for comprovada, o tratamento cirúrgico para a reconstrução ligamentar é indicado em quase a totalidade dos casos.

A acupuntura também pode ser empregada nesta especialidade, através do tratamento das patologias ginecológicas, tais como ansiedade, TPM, menopausa e também na gestação.

Podem e devem. A acupuntura é indicada no tratamento das lombalgias em gestantes porque não é relacionado à alopatia. Trata-se de uma terapia não medicamentosa, que não faz mal à mãe nem ao feto. Nas grávidas a acupuntura também atua em problemas típicos desta fase, como enjoos, distúrbios emocionais como ansiedade, dores de cabeça e nas costas.

Sim. Além da gravidez, a acupuntura pode ser administrada em todas as fases da vida feminina, desde cólicas menstruais, tensão pré-menstrual até calores da menopausa.

Sim. O uso de calçados inadequados é a principal causa destas lesões nas mulheres. Ao pisar, o pé torna-se flexível para se adaptar ao solo. Quando o tornozelo é tirado do chão, fica rígido. O salto alto inibe essa capacidade e, por isso, potencializa o risco de lesões.

O entorse do joelho no momento do drible é o movimento mais frequente para ruptura do ligamento cruzado anterior (LCA). Consiste do pé fixo ao chão com movimento em valgo e rotação externa, o que tensiona o LCA ao máximo, até ele se romper. Outro fator importante é a trava da chuteira, sendo que a longitudinal parece ter uma correlação maior com essas lesões do que a redonda, pois tendem a prender mais no gramado.

Atualmente, o tratamento preconizado é o cirúrgico. Especialmente porque costuma evoluir com dor e instabilidade, além do alto risco de novos entorses com lesões de outras estruturas, como os meniscos. A melhor forma de prevenir a lesão é treinar adequadamente, respeitando os limites de cada um, fortalecendo a musculatura e melhorando a propriocepção, o que reduz o risco do incidente.

O retorno ao esporte deve ser gradativo. Para voltar a jogar futebol sem o risco de ter nova lesão, são necessários pelo menos seis meses para o atleta profissional e oito meses para os amadores.

Embora essa lesão possa se tornar um problema muito grave, se não tratada adequadamente, com o avanço da cirurgia ortopédica e o tratamento adequado, praticamente todos se recuperam muito bem e conseguem voltar à prática do esporte.

A osteoporose é caracterizada pela perda de massa óssea do corpo. É uma doença silenciosa. A perda dessa massa não apresenta sintomas, mas torna a pessoa predisposta a sofrer fraturas.

A doença é mais identificada em dois grupos: as mulheres pós-menopausa e as pessoas idosas de ambos os sexos.

As fraturas mais frequentes ocorrem nas vértebras dorsais e lombares, na extremidade distal do rádio e no fêmur proximal.

O diagnóstico da doença é feito através da densitometria óssea, que permite diagnosticar a fase da doença e acompanhar a sua evolução ao longo dos anos.

O tratamento da osteoporose é feito com medicamentos, mas o ideal é se prevenir para não sofrer com a doença. Praticar atividade física, fazer uma dieta rica em cálcio, não fumar, não beber, evitar consumo de cafeína e tomar sol são algumas recomendações.

O termo artroscopia significa “olhar dentro da junta”. Através de um instrumento do tamanho de uma caneta dotado de sensor ótico pode-se, literalmente, entrar na junta do tornozelo por meio de cortes pequenos.

O exame artroscópico permite ao médico cirurgião fazer uma inspeção direta e minuciosa em toda a superfície articular, através de uma pequena incisão. Antes, para fazer uma cirurgia no tornozelo eram necessários grandes cortes para corrigir o problema. Hoje, com a artroscopia, consegue-se percorrer toda a região por pequenas incisões. Por isso a morbidade torna-se menor e a recuperação, mais rápida.

A técnica é utilizada tanto para diagnóstico como para tratamento de diversas patologias que atingem a região do tornozelo, entre elas a lesão osteocondral (cárie nas cartilagens), a sinovite (inflamação interna do tornozelo) e também o pé diabético, que é muito comum. Essa doença tira a sensibilidade do pé fazendo o paciente a desenvolver lesões.

Trata-se de um procedimento não invasivo. A artroscopia possibilita uma melhor recuperação ao paciente devido ao pequeno porte das incisões. Um pós-operatório rápido e menos traumático é essencial para a qualidade de vida da pessoa que faz o tratamento.

A tenosinovite estenosante dos flexores, conhecida como dedo em gatilho, é uma doença que se caracteriza pela dor e pelo travamento do movimento dos dedos, principalmente do polegar.

O dedo em gatilho ocorre com maior incidência em mulheres na fase pós-menopausa. Isso ocorre devido à alteração hormonal. A lesão também é comum em pacientes com diabetes e hipotireoidismo.

O dedo em gatilho é um processo inflamatório do tendão flexor, mas pode derivar de atividades com esforço dos dedos ou de ordem congênita.

Para o tratamento, recomenda-se fisioterapia, acupuntura ou infiltração. Se nada a lesão persistir, a indica-se cirurgia, cuja recuperação total é rápida, podendo ocorrer em dois meses.

De causa desconhecida e pouco frequente, o menisco discóide é uma lesão congênita no joelho que atinge homens e mulheres. Cerca de 1 a 3% dos casos envolvem o menisco lateral discóide e, raramente, o menisco medial. Pode ser do tipo completo, intermediário ou infantil.

Os primeiros sintomas são sinovite (inflamação nas membranas sinoviais), dor articular progressiva após atividades e derrame, podendo haver até um bloqueio articular. O diagnóstico é quase sempre tardio, após cinco anos, com queixa de falseio, ruídos articulares, claudicação, ressalto, redução das atividades e atrofia do quadríceps.

Para diagnosticar a doença, alguns exames complementares são indicados: a radiografia do joelho com carga ou apoio monopodálico e a ressonância magnética. A artrografia com duplo contraste deixou de ser utilizada por ser um procedimento muito invasivo.

O tratamento consiste em analgesia, redução relativa das atividades e fortalecimento muscular. Mas, muitas vezes, essa medida não funciona. Quase sempre o tratamento acaba sendo cirúrgico a fim de regularizar e tornar o menisco mais parecido com o normal.

Uma luxação pode ser definida como uma lesão, onde as extremidades ósseas, que formam uma articulação, ficam deslocadas, desalinhadas e sem contato entre si. Devido à sua ampla movimentação, o ombro é uma das articulações que mais inspiram cuidados. Normalmente, as luxações são decorrentes de traumas ou frouxidões ligamentares.

O episódio é relatado pelos pacientes como uma dor intensa acompanhada de deformidade visível do ombro. A dor pode ser resolvida com a manobra de redução, que deve ser realizada por um médico, após a comprovação da luxação e da ausência de fratura, por meio de radiografias simples.

A luxação do ombro pode causar lesão anatômica do ombro, fazendo com que a pessoa tenha a sensação de instabilidade e ainda corra o risco de reincidência. Isto é, traumas cada vez menores, podem levar a episódios de luxação.

Tratamento – São fatores essenciais para estabelecer uma proposta de tratamento adequada, a idade em que o paciente sofre a primeira luxação e a forma como ela ocorre (se traumática ou não). Isso significa que, quanto mais jovem e se causada por um trauma, a chance de evolução para instabilidade articular é grande, assim como a necessidade de tratamento cirúrgico.

Análise – O exame de imagem complementar, como a artrorressonância, permite ao médico conhecer a lesão anatômica responsável pela instabilidade articular com melhor programação cirúrgica e, consequentemente, melhor resultado.

O tratamento cirúrgico pode ocorrer de maneira aberta convencional ou artroscópica. Ele proporciona ótimos resultados.

Ajuda – O paciente deve procurar auxílio e esclarecimento com um médico especialista, pois a reincidência dos episódios de luxação, além de traumática e dolorosa, é lesiva para as estruturas anatômicas do ombro. O que pode desencadear artrose articular precoce, com dor e piora da qualidade de vida do doente.

Assim como outras estratégias de embelzamento, a altura também tem seus problemas: dores nas costas, pernas, joelhos e pés. O salto muito alto altera a maneira de pisar, concentra o peso do corpo nos dedos e facilita o desenvolvimento e piora do hálux valgo, a popularmente conhecida joanete. Entre as consequências dessas alterações estão o encurtamento do tendão de Aquiles, a alteração na musculatura da perna, as unhas encravadas e os danos à coluna, como a lordose.

Mesmo cientes de todas as complicações, boa parte das mulheres não abrem mão do acessório em seu vestuário. Mas elas podem adotar algumas medidas para amenizar o problema, conforme ensina o especialista: alongar-se diariamente, alternar a altura do salto e não usar o mesmo modelo por vários dias seguidos, optar pela plataforma sempre que possível, usar sapatos baixos para caminhar e dirigir, massagear os pés e colocá-los para cima são algumas precauções que podem garantir mais saúde e conforto.

A medicina não é uma ciência exata e não podemos disser “sempre” ou “nunca”. Baseado em minha experiência de mais de 1000 cirurgias em mais de 20 anos tratando STC e também nos meus trabalhos publicados em revistas médicas especializadas, onde foram avaliados pacientes com mais de 7 anos de cirurgia e que permaneciam assintomáticos, posso afirmar que a cirurgia para o tratamento da síndrome do túnel do carpo provoca remissão definitiva dos sintomas na grande maioria dos pacientes.

Para mais informações sobre especialidades ortopédicas, clique nos links abaixo:

Profissionais

Conheça mais sobre nosso corpo clínico composto por profissionais altamente qualificados em suas áreas de atuação.

Especialidades

Confira todas as especialidades oferecidas pela Orto Corpore para levar bem estar e qualidade de vida ao seu dia a dia.

Nós podemos te ajudar!

Entre em contato com nossa equipe e esclareça suas dúvidas.

(11) 5083-0145

WhatsApp (11) 99730-9670

contato@ortocorpore.com.br

É proibida a reprodução do layout e conteúdo deste site em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico, sem a autorização escrita da Ortocorpore.

© 2019 Orto Corpore – Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Agência Polaire